Taxa condominial das unidades não comercializadas pela construtora

Taxa condominial das unidades não comercializadas pela construtora

Uma prática muito comum no mercado imobiliário é aplicada por incorporadoras ou construtoras que estipulam vantagens a si mesmas quando da elaboração da minuta da convenção condominial.

Em casos de empreendimentos novos, onde muitas unidades ainda não foram comercializadas pelas construtoras, a minuta da convenção prevê o benefício de que a construtora pague percentual diferenciado, a menor, relativo à taxa condominial das unidades ainda não comercializadas, das unidades que a construtora ainda não vendeu, das quais, portanto, é a proprietária.

Essa conduta traz prejuízos aos demais condôminos que, consequentemente, terão que arcar com o “desconto” concedido à construtora, no tocante ao rateio das despesas condominiais, causando oneração aos demais, em favor daquela.

Tal prática se tornou muito comum no mercado imobiliário, fazendo com que, necessariamente, muitos casos fossem submetidos à apreciação do Poder Judiciário. O assunto não tinha entendimento uníssono pelos julgadores nos Tribunais de Justiça dos Estados Brasileiros, fazendo com que a matéria fosse remetida à apreciação do Superior Tribunal de Justiça, que estabeleceu para este tipo de cláusula, o entendimento reto, de plena nulidade (REsp 1.816.039), pois viola a regra da proporcionalidade prevista no artigo 1334 do Código Civil, senão, vejamos:

Art. 1.334. Além das cláusulas referidas no art. 1.332 e das que os interessados houverem por bem estipular, a convenção determinará:
I - a quota proporcional e o modo de pagamento das contribuições dos condôminos para atender às despesas ordinárias e extraordinárias do condomínio;

Neste sentido, o Poder Judiciário deixa claro que a possibilidade de a convenção estabelecer forma de cálculo das taxas condominiais, que podem ser por fração ideal ou igualitária, é plenamente válida, sendo a prática de desconto ora discutida, totalmente inválida, condenando a construtora ao pagamento das diferenças pagas a menor, conforme base de cálculo estabelecida na convenção condominial.

Fernanda Machado Pfeilsticker Silva é advogada, pós-graduada em Direito Imobiliário, Negocial e Civil. Pós-graduada em Direito Processual Civil, atua na área do Direito Imobiliário - ramo condominial.
OAB/SC 29.431

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!
Enquete

Para conter a pandemia do Covid-19 quais medidas estão sendo mais difíceis de serem adotadas no condomínio?

Controlar obras em unidades - 12.9%
Utilização de máscara por moradores - 26.4%
Informar condômino infectado - 7.9%
Aplicar as normas de silêncio - 15%
Controlar o uso de áreas comuns - 14.3%
Realização de assembleias - 20.7%
Locação de temporada - 2.9%
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2020-10-26 12:08:53' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2020-10-26 12:08:53' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Acesse sua Administradora