Perigo Invisível: crimes ambientais e a responsabilidade dos síndicos no controle de pragas em condomínios

FOTO: Reprodução/Instagram FOTO: Reprodução/Instagram

A morte de seis cães e a intoxicação de mais de 30 animais ocorridos recentemente em condomínios do Rio de Janeiro acendem um alerta sobre o risco de crimes ambientais cometidos no controle de pragas.

O uso indevido de veneno nas áreas onde os pets circulam pode complicar a vida de quem ordenou a aplicação da substância tóxica, sem os devidos cuidados, para evitar prejuízos de qualquer natureza.

As pragas urbanas são uma ameaça à saúde e à segurança dos prédios. Para evitar ou eliminá-las, são feitos serviços como dedetização, desratização e descupinização, dentre outros procedimentos conforme a necessidade do edifício.

Esses serviços não aparecem como obrigatórios no Código Civil; entretanto, o síndico tem o dever de conservar e guardar as partes comuns, bem como zelar pela prestação dos serviços que interessem aos possuidores.

Para proteger o condomínio, muitas vezes é necessário ir além dos muros dos prédios, estendendo o cuidado às áreas públicas, como ocorreu na capital carioca. Administradoras teriam ordenado a aplicação de veneno nos canteiros e nas calçadas para evitar a proliferação de ratos e insetos. Mas o resultado foi desastroso: além da intoxicação de 40 cães, a substância pode ter matado seis, entre eles o Romeu, do ator Cauã Reymond. A cadela, Shakira que também foi envenenada, sobreviveu.

Considerando que existem mais de 150 milhões de animais de estimação no Brasil, sendo a maioria cães, gatos e aves, a presença desses pets nos residenciais é praticamente unânime.

O último censo do Instituto Pet Brasil (PIB) apontou que 44% dos lares das classes A, B e C têm um animal de companhia. Ou seja, tanto dentro do condomínio quanto nas imediações, o perigo de atingi-los é imenso.

Acidental ou não, a Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais) pune com detenção de três meses a um ano e multa a conduta de quem pratica atos de maus-tratos aos animais. Quando se trata de cães ou gatos, a situação fica mais grave, pois haverá reclusão de dois a cinco anos, além de multa. E se o animal morrer, a pena é aumentada de um sexto a um terço. Ou seja, para cada vítima, uma pena ou mais, dependendo da situação.

Por fim, nenhuma sentença irá suprir a ausência do companheiro de quatro patas, mas para o síndico ou administradora, é necessário lembrar que além do peso na consciência, existe o rigor da lei.

A responsabilidade no controle de pragas deve ser levada a sério, com todos os cuidados necessários para evitar tragédias e cumprir as exigências legais, protegendo assim a vida dos animais e a integridade dos moradores.

Fonte: Diário do Rio Doce

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2024-07-22 08:40:20' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2024-07-22 08:40:20' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Acesse sua Administradora