Polêmica na piscina: casal envolvido em atos íntimos recebe surra dos vizinhos

Polêmica na piscina: casal envolvido em atos íntimos recebe surra dos vizinhos

Reclamações sobre a prática de relações sexuais e até orgias nas piscinas de condomínios são comuns, entretanto, nem todas chegam aos noticiários. Mas uma dessas aventuras não só deu o que falar na mídia como acabou de forma inusitada para um casal londrinense. No domingo passado, marido e mulher levaram uma surra dos vizinhos ao serem flagrados fazendo sexo na piscina na presença de crianças. Indignados com a ousadia, uma assembleia extraordinária foi convocada para expulsar os dois do prédio.

No entanto, será que apenas uma violação das normas de convivência é suficiente para considerar o condômino antissocial? A resposta depende do caso concreto. Mas uma coisa é certa: a ausência de um histórico de problemas pode até impedir que essa possibilidade se torne realidade.

O direito de propriedade não é absoluto para ninguém. Quando se fala em residir em condomínio, as restrições são ainda maiores. Além da legislação específica, há leis próprias que diferenciam de acordo com o empreendimento. Em 2002, com a atualização do Código Civil, quem viola, de forma consciente e reiterada as regras condominiais ao ponto de tornar insuportável a vida dos outros moradores ganhou o nome de condômino antissocial. A punição para esse tipo de morador pode ser a perda do direito de habitar no condomínio de forma permanente ou temporária.

No entanto, a cultura de evitar conflitos com o vizinho, o medo de retaliação e a falta de tempo ou interesse em formalizar as reclamações que são levadas ao conhecimento do síndico, favorecem aqueles que excedem o limite da propriedade. Salvo exceções, mesmo cometendo uma contravenção penal, como praticar atos sexuais em locais públicos, a exemplo do que ocorreu em Londrina, não seria, em tese, suficiente para expulsar o dono da propriedade. Para ser considerado antissocial, o morador precisa ter um histórico de atitudes contrárias ao convívio na comunidade, tornando insuportável a presença dele no ambiente.

A ausência desses registros sobre a violação das regras pelo infrator, causará um efeito dominó, impedindo a ação da justiça. Se não existe reclamação, não há como adotar as medidas disponíveis para tentar cessar o comportamento prejudicial, como advertência, multa e por fim a caracterização de antissocial.

Embora os condomínios reúnam uma diversidade de comportamentos, a justiça protege aqueles que demonstram atitudes condizentes com uma convivência harmoniosa. Assim, é necessário que todos os moradores assumam a responsabilidade de zelar pelo ambiente condominial como um lar compartilhado, em vez de delegar essa função exclusivamente ao síndico ou a terceiros.

Fonte: Diário do Rio Doce

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2024-04-14 02:07:53' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2024-04-14 02:07:53' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Acesse sua Administradora