Um cachorro Dálmata pula em cima dos moradores e late em tom agressivo. Além da coleira que já utiliza, solicitamos o uso da focinheira e o dono se nega a colocar, o que fazer?

Enviado por : Mariana Branco / São José

Pergunta: Estamos com problema de um cachorro Dálmata que anda de coleira pelo condomínio, porém o cachorro pula em cima dos moradores e inclusive late em tom agressivo. Solicitamos que fosse usada a focinheira e o dono se nega a colocar, o que podemos fazer? Mariana Branco / São José

Resposta: De forma geral, as regras do condomínio não podem proibir a presença de animais de estimação nas casas ou apartamentos, contanto que esses animais não representem perigo para a segurança, higiene, saúde e tranquilidade dos demais condôminos.

Diante do comportamento agressivo do cachorro dálmata, é recomendável verificar se o Regulamento Interno do condomínio dispõe sobre normas de controle de animais, principalmente em relação a sua circulação em áreas comuns. Caso existam previsões específicas, é possível requerer que sejam tomadas medidas para assegurar o cumprimento dessas regras pelo tutor do animal.

No mesmo sentido, será vedada a presença de animais de estimação que provocam a perturbação do sossego, da saúde e da segurança dos condôminos, visto que o proprietário de uma unidade autônoma deve utilizar a sua propriedade de modo a não lesar os direitos de vizinhança dos demais moradores, conforme previsto o art. 1.336, IV, do Código Civil (Art. 1.336. São deveres do condômino: (...) V - dar às suas partes a mesma destinação que tem a edificação, e não as utilizar de maneira prejudicial ao sossego, salubridade e segurança dos possuidores, ou aos bons costumes).

Se, mesmo após as intervenções internas, o problema persistir, é aconselhável documentar as ocorrências, incluindo registros de reclamações, testemunhos e evidências visuais ou auditivas que comprovem o comportamento inadequado do cachorro. Esses elementos podem ser relevantes em uma eventual demanda judicial.

Em situações extremas, se os meios internos não forem eficazes, considerar a busca por orientação jurídica para analisar a possibilidade de ingressar com uma ação legal contra o proprietário do cachorro. A base jurídica pode fundamentar-se na responsabilidade do dono em manter seu animal sob controle, conforme previsto nas normas condominiais e, em última instância, no Código Civil brasileiro, que em seu art. 936 aponta que o dono do animal tem responsabilidade pelos danos e prejuízos causados a outras pessoas, caso não demonstrado a culpa da vítima ou força maior.

RMP Advocacia
Rogério Manoel Pedro

OAB/SC 10745
(48) 99654 0440

 

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2024-03-03 03:23:51' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2024-03-03 03:23:51' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Envie uma pergunta
Contato

Campos Obrigatórios *

Acesse sua Administradora