Imprimir esta página

Valorizar hall é tradição em Criciúma

Valorizar hall é tradição em Criciúma

 

Em Criciúma, é praticamente uma tradição valorizar o hall de entrada de condomínios residenciais com um belo projeto de decoração. Quando bem planejada, essa área comum valoriza o imóvel e convida moradores e visitantes a usufruir o que há de mais moderno em design de interiores.

No bairro Comerciário, área central da cidade, o síndico do condomínio Montefiore Residencial, José Carlos Espíndola, destaca que esse espaço é um ambiente bastante prestigiado, e que precisa de atenção frequente. Tanto que o hall do prédio, que foi entregue em novembro de 2012, já passa por uma repaginação. “Colocamos um rack e um espelho, e agora estamos em fase de acabamento, aguardando para colocar o papel de parede”, conta.

Espíndola, que é o primeiro síndico a atuar no edifício, lembra que faz parte do dia-a-dia o cuidado com o local, sempre buscando torná-lo mais confortável. Segundo ele, os condôminos incentivam as mudanças. “Eles adoram. Todos concordam com as modificações”, conta. Além disso, o síndico lembra que os moradores estão atentos ao fato de que a manutenção constante valoriza também os apartamentos.

Dicas

Consultar um profissional da área de arquitetura e design de interiores é uma recomendação interessante na hora de reformar ou redecorar esse ambiente. A arquiteta Renata Bitencourt revela que o hall é o cartão de visitas do prédio. “Sempre agrega valor ao condomínio. Afinal, o hall de entrada faz parte da casa”, destaca.

Os detalhes devem agradar diferentes estilos, pois o espaço é usado por muitas pessoas. “Ergonomicamente, devemos pensar em todo mundo, especialmente em idosos e crianças. As quinas das mesas, por exemplo, não podem machucar as crianças”, comenta. Outra recomendação importante é analisar o local onde são colocados os tapetes, pois estes não podem atrapalhar a passagem.

A arquiteta, que tem experiência em reforma e decoração de prédios novos, lembra que é importante testar se os móveis a serem adquiridos são confortáveis e dá outras dicas sobre o tema. “Tapete branco, por exemplo, não é boa escolha. Prefira tons que possam ser mantidos por mais tempo sem manutenção ou troca”, diz. Na escolha de cores, é imprescindível, então, optar por aquelas que não se descaracterizam facilmente e que não precisam ser trocadas em pouco tempo.

Renata lembra também que as plantas dão vida ao hall, o que pode ser feito com vegetação natural ou artificial de boa qualidade. “Hoje existem plantas artificiais perfeitas, que ficam tão bonitas quanto as naturais”, diz. Para ampliar o ambiente, o uso de espelhos também é indicado. “Além disso, tanto para quem chega quanto para quem está saindo eles também são úteis para conferir o visual”, ressalta.

Outro ponto de atenção é a iluminação do espaço. “Tanto pela estética quanto pela segurança. O hall deve ser bem iluminado”, explica Renata. Até mesmo aspectos estruturais podem ficar mais bonitos. “A caixa de correspondência, por exemplo, pode ser valorizada, trabalhando-se com nichos”, complementa. Além disso, com o tempo, há um desgaste natural, por isso é bom prever uma reforma quando necessário. A recomendação é buscar o auxílio de um profissional da área, que pode analisar o que precisa ser feito, trazendo requinte e sofisticação ao local.

Por Soraya Falqueiro