Verticalização com segurança em Balneário Camboriú

Verticalização com segurança em Balneário Camboriú

Lei municipal determina vistoria em edificações para evitar problemas e conservar os imóveis

Desde março de 2008 Balneário Camboriú mantém uma lei municipal – de número 2.805 – que torna obrigatória a realização de vistorias periódicas nas edificações. Primeira cidade de Santa Catarina a adotar tal legislação – a exemplo de outros municípios como Porto Alegre, São Paulo e Fortaleza – a lei nada mais é do que um instrumento que ajuda a identificar problemas estruturais nos prédios. 

Para tanto, determina que o condomínio contrate um arquiteto ou engenheiro credenciado para fazer inspeções periódicas. As informações devem ser registradas em um parecer técnico, no qual deverão ser anexados o formulário de inspeção e a ficha técnica da edificação.

“A lei é uma prevenção e foi criada diante de tantas ocorrências que vêm acontecendo no dia a dia da verticalização. O poder público se sobressai na responsabilidade de zelar pela segurança e por meio de lei transfere isso para o gestor, no caso síndico e administrador, pois estes têm a responsabilidade de fazer a conservação condominial”, esclareceo presidente do Secovi/SC, Sérgio Luiz dos Santos.

De acordo com o engenheiro Halisson Gonçalves os condomínios, de maneira geral, têm feito as vistorias na periodicidade que estabelece a lei. “Trata-se de uma responsabilidade civil do síndico, de acordo com o Código Civil e deveria ser cumprido por todos”, aponta, lembrando que a prefeitura tem feito a fiscalização. “Às vezes, o poder público não tem a capacidade gestora de fiscalizar no cotidiano. Mas a lei existe para ser cumprida e, na verdade, nós temos de pensar sempre que não há necessidade da fiscalização se tiver comprometimento”, emenda o presidente do Secovi.

“Entretanto, mais do que para atender a fiscalização, o objetivo da vistoria é apontar possíveis falhas, desgastes ou defeito de modo a permitir a elaboração de um plano de manutenção preventiva, afim de preservar a vida útil projetada do imóvel (ou seja, o tempo para o qual ele foi projetado). A vistoria permite verificar possíveis riscos eminentes de acidentes e também alguma possível anomalia que, quanto antes observada, menor o risco de acidente e menor o custo para sua manutenção”, diz o engenheiro.

Conservação dos imóveis
Para o síndico Ronaldo Antônio Francio, a lei municipal é importante porque exige conservação dos imóveis. “Sempre aparece algum problema que não se vê, principalmente de rachaduras, pastilhas deslocadas, mofo nas paredes, especialmente nas garagens que são fechadas. Então, se o síndico e os condôminos quiserem manter o prédio em dia, têm de obedecer à legislação”, elogia. 

Responsável pela administração do Condomínio Costa Catarina, que reúne 15 andares, sendo 10 residenciais, quatro de garagem e um piso térreo, Ronaldo há dois meses contratou os serviços de um engenheiro que promoveu a inspeção predial. De acordo com a lei, que determina três etapas de inspeção, a vistoria deve ser feita nos primeiros seis anos de construção; depois nos cinco anos seguintes e, após esse período, a cada três anos. 

Como o residencial foi erguido em 2010, o síndico apresentou o serviço em assembleia no mês de janeiro. “Incluindo toda a documentação necessária como de cartório, prefeitura e mão de obra, o custo total foi de R$ 2.900. O valor, se dividido em seis anos, dá um pouco mais de R$ 400 por ano e não chega a ser um custo alto para o condomínio”, calcula Ronaldo, que recebeu um prazo de 45 dias para consertar alguns problemas apontados no prédio.

MULTA
Para o edifício que descumprir a lei, a multa é de 10 UFM (Unidades Fiscais Municipais)– totaliza cerca de R$ 2.700– para o condomínio, sendo renovado esse valor a cada período de 30 (trinta) dias até que seja sanada a irregularidade. “O síndico responde civil e criminalmente se houver algum tipo de acidente ocasionado pela falta de manutenção da edificação e sem essa vistoria técnica periódica vai agravar mais a situação do síndico”, assinala Halisson Gonçalves.

“Por isso o Secovi/SC sempre aconselha que sejam feitas as vistorias permanentes, de acordo com a lei. E essa vistoria é muito importante para a sociedade e, principalmente, para os condôminos que vivem no local”, alerta Sérgio dos Santos.

NÚMEROS
Cidade: Balneário Camboriú
Condomínios constituídos atualmente: 2.231
Condomínios em construção: 192
Total de Condomínios para o futuro (previsão de 5 anos): 2.423
Fonte: Departamento de Pesquisa do Secovi/SC.

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!




  • A-
  • A+
Enquete

Como é controlada a portaria do seu condomínio?

Portaria Remota - 13%
Portaria 24 Horas Orgânico - 26.7%
Portaria 24 Horas Terceirizada - 24.7%
Controle de Acesso - 16.4%
Não possuímos - 18.5%

Total votos: 146
A votação para esta enquete foi encerrada em: Junho 6, 2017
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2018-01-24 01:38:45' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2018-01-24 01:38:45' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Acesse sua Administradora