Norma para reformas passa por revisão

Válida desde setembro deste ano, emenda à NBR 16.280 retira obrigação de condomínios autorizarem e vistoriarem obras
Giovani Bonetti diz que o objetivo da norma é dar mais segurança à sociedade Giovani Bonetti diz que o objetivo da norma é dar mais segurança à sociedade

 

Publicada em abril de 2014, a Norma NBR 16.280 foi estabelecida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) como uma lista de requisitos para reformas das edificações, propondo a “gestão de controle de processos, projetos, execução e segurança”. Porém, em virtude das polêmicas geradas, em 19 de agosto desse ano foi publicada uma emenda simplificando a normalização de obras em unidades autônomas pertencentes a condomínios edilícios.

A emenda da norma retira a obrigação do síndico de autorizar e vistoriar tais obras, e isenta o condomínio de verificar se são possíveis ou não, se estão sendo cumpridas de acordo com a autorização fornecida e, se ao final, foram ou não feitas conforme determinava o texto original, editado em 2014. Porém, o condômino ainda é obrigado a entregar os documentos para o síndico ou responsável, mas não para análise, somente para comunicação. “O condomínio não precisa analisar, mas isso não retira a responsabilidade do condomínio”, explica o advogado e consultor jurídico, Cristiano de Souza Oliveira.

Giovani Bonetti, vice-presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina (CAU/SC), explica que segundo a norma da ABNT, qualquer obra que necessite ser feita para recuperar, melhorar ou ampliar condições de habitabilidade, uso ou segurança deve ter a supervisão de um arquiteto urbanista ou outro profissional habilitado e as modificações devem ser informadas ao síndico. “Caso a obra ou reforma, de médio e grande porte, não seja realizada por profissional habilitado, o proprietário poderá ser condenado a cobrir monetariamente o prejuízo de avarias”, explica.

Segundo ele, os serviços que devem ter a supervisão de profissional habilitado são demolição, construção de paredes, abertura ou fechamento de vãos, alterações nas instalações elétricas, alterações nas instalações hidrossanitárias, instalações de mobiliários fixos e substituição de revestimentos (pisos, parede, teto e gesso). “O objetivo da NBR 16.280 é garantir a legalidade de obras nas edificações e dar mais segurança à sociedade. Ela contribui para conscientizar as pessoas sobre a necessidade de contratar profissionais qualificados para a realização e acompanhamento de qualquer obra”, orienta Bonetti.

Responsabilidade

Na avaliação do advogado Cristiano de Souza Oliveira a norma altera a visão dos condôminos sob o ponto de vista de que nem tudo pode ser feito só porque é sua propriedade. “A propriedade condominial tem esta característica: é seu, mas o todo é nosso”, salienta.

Cristiano explica que com a emenda os procedimentos são os mesmos do ponto de vista da responsabilidade de quem faz a obra, deixando, no entanto, o condomínio livre para fiscalizar. “A responsabilidade técnica de quem faz a obra é muito mais exigida, agora se espera que seja cobrada e a boa fé reine”, destaca o especialista.

O consultor não vê com bons olhos a mudança, que retirou a obrigação do condomínio fiscalizar. “Sou contra retirar obrigações que deixam a regulamentação frágil e sujeita a ser burlada pela má fé, tão presente em nosso país. Preocupa-me que os gestores fiquem inertes só porque a NBR não fala mais que é uma obrigação do condomínio, pois ainda é o condomínio que terá que liberar a entrada dos profissionais, logo de forma indireta, estará autorizando a execução. Portanto, nada mais lógico que determinar em assembleia um acompanhamento e consultoria técnica para obras internas nas unidades”, conclui o advogado.

 

SERVIÇOS:

• Clique e confira empresas especializadas em Laudos, Vistorias, Inspeções e Perícias

• Clique aqui e confira empresas especializadas em Obras e Reformas

 

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!




  • A-
  • A+
Enquete

Descreva como é a gestão no seu condomínio

Auto Gestão (Não tem auxilio de administradora/contabilidade) - 16.1%
Auto Gestão Assistida (Contrata serviços terceirizados de contabilidade) - 17%
Gestão com empresa administradora - 32.1%
Síndico Profissional (com administradora) - 27.7%
Síndico Profissional (sem administradora) - 5.4%
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2019-02-20 12:34:08' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2019-02-20 12:34:08' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Acesse sua Administradora