Condomínios buscam valorização das garagens com produtos e materiais mais resistentes

Vagas de estacionamento estão entre os quesitos mais importantes na escolha de um imóvel
  • 05/Setembro/2014 - Graziella Itamaro




  • A-
  • A+
Condomínios buscam valorização das garagens com produtos e materiais mais resistentes

 

A garagem está entre os itens mais importantes em um condomínio, tanto que o número de vagas nos edifícios novos vem aumentando. É uma necessidade atual e, na hora de escolher um prédio para morar, a maioria dos interessados quer saber em primeiro lugar sobre as condições das vagas em que ficarão seus automóveis. Mas, nem sempre as garagens estão com a estrutura adequada, principalmente no que diz respeito ao piso. É comum encontrar os espaços com o chão esburacado e a estrutura mal planejada, com pouca resistência, juntas de dilatação inadequadas e até mesmo ferragens expostas. Nos edifícios mais antigos, construídos há décadas, o problema com a estrutura do piso das garagens é ainda maior, já que os critérios para edificá-las eram menos precisos.

Expostos ao esforço provocado pelo peso dos automóveis e outros desgastes cotidianos, os pisos de garagens necessitam de revestimentos específicos para uma maior durabilidade. Siro Capistrano, diretor técnico de empresa especializada em restaurações de garagens, explica que o melhor critério para a escolha dos materiais é optar por produtos resistentes, como o epóxi ou poliuretano, nas áreas de maior atrito como curvas e rampas, tomando o cuidado de tornar essas áreas antiderrapantes para evitar acidentes. “Nas áreas de menor trafego, como boxes, é possível usar materiais mais simples, como tintas de base solvente monocomponentes, que vêm prontas sem a necessidade de misturar outros produtos. Porém, o mais indicado é usar produtos bicomponentes em tudo, pois são misturas mais resistentes e evitam o efeito causado pelos pneus aquecidos que removem pontos no estacionar e sair do veículo” orienta.

 O técnico explica que existem vários tipos de revestimentos, desde tintas à base d’água até produtos bicomponentes. Entretanto, o mais importante é o preparo da superfície, que deve ser feito com materiais de alto desempenho, concretos resistentes e com aderência correta.

Siro orienta que as reformas sejam feitas sempre que o piso apresentar desgaste que comprometa a estrutura da laje original da edificação. “Nos casos de contrapiso, deve-se verificar de que forma ele foi executado, ou seja, se existem telas antifissuras, armações, ou somente concreto”, recomenda. Com relação à durabilidade, ele explica que a questão está relacionada ao tipo de substrato, de reparo e de tinta aplicada. “Substrato e tinta de boa qualidade podem durar de 15 a 20 anos”, destaca.

A limpeza, item importante para garantir a durabilidade dos revestimentos, deve ser feita com equipamentos que dispensem o uso de grandes quantidades de água e cloro. “Nunca, em hipótese alguma, deve-se lavar pisos de concreto armado, pois esta atividade compromete a integridade da estrutura”, alerta.

Valorização

Vera Lúcia de Souza Lima, síndica do condomínio Residencial Dante Tomio, em Balneário Camboriú, reformou as garagens do condomínio há quatro anos e até hoje aprova o resultado. “Tínhamos um piso grosseiro com acabamento em cimento bruto que deixava a garagem com um aspecto desleixado e até desvalorizava os imóveis. Quando tínhamos um apartamento à venda era constante a crítica pelo estado das garagens”, diz.

Segundo a síndica, a reforma iniciou com o lixamento e polimento do piso para tirar as imperfeições. A seguir foi aplicada uma camada de massa acrílica e em seguida feita a pintura em tinta epóxi industrial com catalizador. “Nas rampas foi aplicado somente tinta com areia de quartzo para deixá-las antiderrapantes”, relata.

Vera conta que o valor total investido no piso foi de R$ 37 mil para a garagem de cinco pisos e com 105 boxes. “Nossas garagens ficaram totalmente remodeladas e até hoje não houve a necessidade de uma manutenção”, conta a síndica.

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!




  • A-
  • A+
Enquete

Descreva como é a gestão no seu condomínio

Auto Gestão (Não tem auxilio de administradora/contabilidade) - 16.1%
Auto Gestão Assistida (Contrata serviços terceirizados de contabilidade) - 17%
Gestão com empresa administradora - 32.1%
Síndico Profissional (com administradora) - 27.7%
Síndico Profissional (sem administradora) - 5.4%
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2019-02-19 23:16:29' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2019-02-19 23:16:29' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Acesse sua Administradora