Síndicos profissionais ganham força no mercado

  • 11/Dezembro/2013 - Redação CondominioSC




  • A-
  • A+
Síndicos profissionais ganham força no mercado

 

O volume de exigências sobre os síndicos vem crescendo na mesma proporção dos condomínios e centros empresariais com áreas de lazer, várias torres e até mais de uma centena de unidades que estão surgindo no mercado.

A disponibilidade de tempo, a gama de conhecimentos jurídicos e administrativos necessários, a capacidade de liderança e o perfil conciliador estão se tornando obrigatórios na hora de escolher um síndico. Por outro lado, em condomínios menores, a dificuldade surge pelo fato de haver menos moradores, nem todos terem o perfil ideal ou mesmo vontade de assumir a responsabilidade.

Essa realidade fez surgir no mercado a figura do síndico profissional, responsável pela administração de mais de um condomínio e que recebe remunerado pelo serviço, mas não reside nem trabalha no condomínio.

Formação

A maioria desses profissionais possui formação profissional em áreas como Direito, Administração e Contabilidade, começaram exercendo a função nos condomínios onde residiam e pouco a pouco foram assumindo outras unidades até perceberem as possibilidades disponíveis no mercado.

Rafael Irani é um desses profissionais. Advogado com especialização em Direito Trabalhista, assumiu o cargo de síndico no próprio condomínio onde reside há quatro anos, depois aceitou administrar outro prédio localizado em uma praia de Florianópolis, até que abandonou definitivamente os tribunais. Atualmente, Rafael é responsável pela administração de nove condomínios residenciais e comerciais, todos na Ilha de Santa Catarina.

Para ele, o fato de o síndico não residir ou não trabalhar no condomínio é um fator positivo no dia-a-dia da profissão. “O trabalho de um síndico profissional é encarado de outra maneira, com uma mentalidade mais responsável. Como não existe a proximidade com vizinhos, não é tão difícil para impor regras e cobrar a atuação dos profissionais e dos demais condôminos.”

O custo para a contratação de um síndico profissional varia muito de acordo com o condomínio. A maioria leva em conta diversos fatores como número de unidades, quantidade de funcionários terceirizados ou contratados, e as necessidades do empreendimento, que são identificadas em uma visita ao local. Também, é no próprio condomínio que boa parte do trabalho do síndico profissional é realizado, já a administração das contas e as outras demandas são feitas a distancia. A periodicidade das visitas é definida no contrato e as necessidades do dia-a-dia são acompanhadas por e-mails e celular.

“No contrato estabelecemos um mínimo de três visitas semanais, mas essa quantidade varia muito. Um prédio que esteja passando por uma reforma requer mais atenção e uma presença mais próxima”, explica Rafael.

Referências

Apesar de crescente, a profissão ainda não tem regulamentação e alguns cuidados devem ser observados na hora da contratação, como explica Fernando Willrich, presidente do SECOVI Florianópolis/ Tubarão. “Além do básico como referências e qualificação, o maior cuidado é o mesmo que todos os condomínios deveriam ter: o acompanhamento do conselho fiscal, cuja principal função é acompanhar o trabalho do síndico. O síndico profissional é um prestador de serviço como os outros, mas tem atribuições muito sérias, como gerenciar todo o dinheiro do condomínio. Nas questões legais, síndicos profissionais ou residentes têm as mesmas responsabilidades”.

Mas, nem todos os condomínios têm o perfil ideal para a contratação desse tipo de profissional. Empreendimentos menores ou cujos moradores se conheçam há muito tempo podem enfrentar dificuldades de adaptação a um profissional com outro perfil. “É uma mudança de paradigmas, o síndico profissional tem outro tipo de atuação. Ele não vai ficar o dia todo à disposição ou de conversa pelo condomínio e isso pode gerar uma percepção de desatendimento, um sentimento de abandono por melhor que seja o profissional e mesmo que o condomínio esteja melhor que antes”, conclui Fernando.

  • Gostou do conteúdo? Indique a um amigo!




  • A-
  • A+
Enquete

Descreva como é a gestão no seu condomínio

Auto Gestão (Não tem auxilio de administradora/contabilidade) - 16.1%
Auto Gestão Assistida (Contrata serviços terceirizados de contabilidade) - 17%
Gestão com empresa administradora - 32.1%
Síndico Profissional (com administradora) - 27.7%
Síndico Profissional (sem administradora) - 5.4%
SELECT i.*, CASE WHEN i.modified = 0 THEN i.created ELSE i.modified END as lastChanged, c.name AS categoryname,c.id AS categoryid, c.alias AS categoryalias, c.params AS categoryparams, u.userName AS nomeColunista , u.image AS imgColunista , u.userID AS idColunista FROM #__k2_items as i RIGHT JOIN #__k2_categories c ON c.id = i.catid LEFT JOIN #__k2_users u ON u.userID = i.created_by WHERE i.published = 1 AND i.access IN(1,1,5) AND i.trash = 0 AND c.published = 1 AND c.trash = 0 AND ( i.publish_up = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_up <= '2019-09-20 12:44:31' ) AND ( i.publish_down = '0000-00-00 00:00:00' OR i.publish_down >= '2019-09-20 12:44:31' ) AND i.catid=17 AND i.catid IN(17) OR i.id IN (SELECT itemID FROM #__k2_additional_categories WHERE catid IN(17 ) )  ORDER BY i.id DESC LIMIT 0 , 1
Acesse sua Administradora